10 de jan de 2009

Bater nos filhos: crime ou castigo?


Sou da velha guarda, no meu tempo criança só tinha o direito de ficar calada. Por dá cá aquela palha o coro comia! E nem existia conselho tutelar, todos achavam que criança se criava no chicote. Mas nos anos 70 uma palavra mágica começou a mudar o panorama da educação dos filhos no Brasil: psicologia. A psicologia era a moda, era moderna e era o substituto das pancadas. Não se usava mais o chinelo, usava-se psicologia.

Eu sempre acho que bom-senso e 'extremos' são duas coisas que não combinam bem. Quanto mais extremista a posição de uma pessoa, mais insensata me parece. Anos se passaram e temos aí uma geração que não sabe o que é receber um tapa ou um castigo, mas que não sabe aceitar um 'não'.

Os pais esqueceram-se que 'educar' não é apenas suprir de tudo o que a criança precisa, mas também 'educá-la', torná-la apta a conviver com os outros seres humanos do planeta, respeitando as regras de convívio da sociedade. Respeitar os outros membros, respeitar a hierarquia, cumprir suas obrigações, são ítens básicos na educação de uma criança.

Como educamos

Se antes se recorria à violência e às surras (que não matavam ninguém) hoje é tudo na base da conversa e da negociação. Eu concordo que conversar é sempre a melhor saída, mas quando essa não surte efeito, defendo o castigo, que pode ser a retirada da mesada, dias sem acesso à internet, etc. Em casos mais extremos, defendo até uns tapas e umas boas palmadas na bunda. Acho que em alguns momentos só a dor física é que pode dar um jeito na coisa, mas usada em casos extremos de reincidência após ter passado pelas outras etapas (conversa e castigo) e umas palmadas não quer dizer pancadaria, nem que se vá descarregar a raiva na criança. As palmadas devem doer para não desmoralizar mas não devem machucar nem deixar marcas, nem ser aplicadas em outros lugares, mas da bunda para baixo.

Essa opinião é minha, mas aceito quem pense o contrário, desde que realmente eduquem a criança. Não importa qual o método que você está usando se os efeitos forem os desejáveis. Se seu filho agride outras crianças, não obedece ninguém, tem crises de choro ou raiva quando ouve um 'não', desrespeita autoridade, não sabe se comportar em público, alguma coisa em seu método não está funcionando.

assinatura

Gostou do blog? Recomende e volte sempre!
Contato

3 comentários:

  1. Sou contra até palmada!
    Quando criança eu não era fácil!Fui criada no castigo do tipo:durante um mês sem rerceber amiguinhas em casa,não fala no telefone,não vê televisão,não vai ao clube,do colégio para casa,etc e tal.
    Eu implorava para apanhar!
    E a resposta era a seguinte:Faz o que quer e agora aguenta!Um dia você vai agradecer e dizer que nunca apanhou!
    Criei meu filho também assim que foi um santo(diferente de mim) e hoje somos pessoas que não dejamos a desejar.
    Não sei se palmada resolve mesmo,algumas vezes,porque não vivi essa experiência!
    Bjsss...milll...

    ResponderExcluir
  2. Acho que o bom-senso é que tem que orientar os pais, o que dá certo com um filho não dá certo com outro, cada caso é um caso.

    ResponderExcluir
  3. apanhei de vara quando criança e nao me revoltei com meus pais. com certeza vou agir do mesmo jeito com meu filho se for preciso. é melhor eu bater agora do que a policia bater mais tarde.

    ResponderExcluir

Antes de deixar sua mensagem, por favor leia nossa Política de Publicação de Comentários.

Ratings by outbrain